terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Poder para perdoar


Esses dias vivi uma experiência bem interessante relacionada ao perdão. Foi mais uma oportunidade como as que temos diariamente de escolher entre perdoar ou guardar rancor, só que esta não veio de modo mascarado ou indireto, mas simplesmente gritante, ofensiva e ridícula. Engraçado como muitas vidas são presas, envenenadas e destruídas por falta de perdão, já que escolhem não perdoar, na maioria das vezes pequenas coisas e tolices. 

Quantos casais vivem brigando (e se entupindo de mágoas) por um prato não lavado, uma pasta de dente aberta na pia, uma toalha molhada na cama, uma decisão precipitada por parte de um sem conhecimento ou consentimento do outro... 
Quantas crianças se tornam adultos amargos e duros, por carregarem anos à fio as toxinas de uma vida em crescimento marcada por bagagens de falta de perdão contra seus amigos, colegas e professores de infância que as feriram entre uma brincadeira e outra....
Quantas e tantas vezes tomamos veneno esperando que nossos oponentes morram por causa da escolha de não perdoar, de não esquecer, de trazer a ofensa à tona de novo, de novo e de novo!

As situações, pessoas e lugares propícios ao perdão (ou não) são infindos, assim como as possibilidades de alguém vencer ou fracassar na vida. Decidi escrever esta reflexão apenas para confessar minha firme decisão de perdoar os meus ofensores, de amar meus inimigos. Perdoei, perdoo e perdoarei. Por quê? Escolhi perdoar. Sei que por mim, com minhas forças, não consigo, mas não pertenço a mim, e meu Dono, Mestre, Salvador e Senhor é quem me capacita a fazê-lo sempre, com ousadia e confiança. Ele me dá (já que tem pra dar) PODER PARA PERDOAR. 

"Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder para perdoar pecados ..." (Mateus 9:6; Marcos 2:10; Lucas 5:24)

Escolhi perdoar e em Jesus tenho poder para fazê-lo sempre que o desejar (quando não desejar também).

10 comentários:

  1. Quanto perdão poderia ser solto por ai pra trazer paz às pessoas... mas tem gente que incrivelmente continua querendo guardar rancor por uma coisa que aconteceu anos e anos atrás e que as vezes nem lembra o motivo da discórdia...
    Ainda bem que escolhi perdoar, né Pri?
    Abraços, Thamyres

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eh, Thamyres... que bom que escolhemos perdoar ;)

      Excluir
  2. Lindooooooooo...Parabéns! Lindo dom de usar tão bem,as palavras Deus abençoe muito. Bju no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pollyanna Latyer

      Excluir
    2. Obrigada pelo encorajamento, Pollyana Latyer! Fico feliz que tenha sido edificada e abençoada com tão simples palavras ;)

      Excluir
  3. Perdão é um dom que poucos têm. Belíssimo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poucos tem, mas todos podem ter, se buscarem em Jesus ;)
      Fico feliz que tenha gostado do texto, Kawaii.

      Excluir
  4. Perdão é uma forma de crescer, mas eu ficaria mais satisfeita se todas as vezes que eu pedisse pedir perdão voltasse no momento em que errei para não magoar ninguém. Mas se fosse assim, acho que não haveria o futuro de tanta gente voltando atrás. O perdão é de fato uma das coisas mais difíceis. Eu mesma fico muito alienada diante dele, porque ainda que ele haja, não consigo confiar novamente.
    Mas se todos perdoasse, que outro mundo teríamos.
    Muito legal seu texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Tati, seria legal se em vez de ter que pedir perdão pudessemos voltar no tempo para não cometer os mesmos erros e ter que pedir perdão. Já que não podemos o melhor que podemos fazer é buscar não comenter os mesmos erros, para depois não ter que pedir perdão sobre as mesmas e mesmas coisas.

      Vejo o perdão como uma decisão. Decisão de não trazer a tona o fracasso. Decisão de não levar em conta. Porém, realmente, quando a confiança é quebrada, a construção é derrubada e leva tempo para ser reconstruída (voltarmos a confiar) e nem sempre o é. O legal é que isso independe do perdão.

      Por exemplo, uma pessoa que foi traída por seu cônjuge pode perdoá-la e mesmo que decida se separar e nunca mais condiga confiar no ex-parceiro, porque decidiu perdoar, não guardar rancor ou ódio contra aquela pessoa.

      Excluir
  5. Lindo post Pri!! Amei.
    Patty

    ResponderExcluir