quinta-feira, 1 de outubro de 2020

O que é temer a Deus



"O temor de Deus foi um termo com o qual lutei e ansiei por entender melhor. Sei que significa ter um nível profundo de reverência a Deus.

Mas amo o que uma amiga que estuda a raiz das palavras em seu idioma original para entender melhor os termos bíblicos compartilhou comigo recentemente. Depois de muito estudo, ela define uma pessoa que teme a Deus como ALGUÉM QUE VÊ A MÃO DE DEUS EM TUDO.

Há diversas palavras hebraicas para a palavra temor, mas vamos analisar duas delas bem de perto.

Uma é PACHAD, que significa terror.

Não é a palavra usada em Salmos 111:10 nem em Provérbios 9:10 sobre o temor do Senhor. A palavra usada é YIRAH, que significa ESTAR ASSOMBRADO COM DEUS.

AQUELA SENSAÇÃO PROFUNDA DE REVERÊNCIA QUE NOS FAZ REALMENTE PROCURAR A MÃO DE DEUS EM TUDO."


Lysa Terkeurst

domingo, 9 de agosto de 2020

Ame sua rotina


“Às vezes é cansativo e desgastante, mas ame sua rotina. Às vezes você vai olhar pro lado e achar que a vida de todo mundo é mais divertida que a sua, mas ame sua rotina. Entenda que ela é uma bênção, não um fardo! Que vestir as mesmas roupas, estar com as mesmas pessoas e ir aos mesmos lugares é a construção de quem você é, que isso é maravilhoso! E se você não pensa assim, talvez seja hora de reorganizar sua vida, não seu guarda roupas ou seu passaporte.

Não permita que a busca pela novidade lhe cobre tanto a ponto de você se esquecer pelo caminho. Lembra de olhar pra dentro de si antes de acreditar que precisa de mais uma roupa, de mais uma viagem ou de outro corte de cabelo. Repara bem e veja se você já não está feliz aí mesmo, onde está, na sua casinha. Você precisa entender que conhecer um lugar novo não vai te fazer mudar, que se existir algum problema dentro de si ele não vai sumir só por você ter juntado todo o seu dinheiro, pego um avião e ido até o outro lado do mundo. Encare e resolva, aí quem sabe você finalmente consiga ver a graça de pegar um livro e viajar sem sair do seu sofá.

Olha pro teu guarda roupas e pensa bem se é mesmo de um vestido novo que precisa, ou se o motivo de achar que não tem roupas pra sair é justamente o fato de já ter tantas que não consegue mais enxergar tudo o que está por baixo desses panos todos amontoados e apertados no roupeiro. Seu vestidinho preferido pode ser usado quantas vezes você quiser, todos os dias se te der vontade! Roupa não é descartável e você não precisa ser uma escrava da moda só porque meio mundo é (você não é todo mundo).

E quais as chances dessa sua súbita vontade de mudar o cabelo (de novo) ser na verdade uma vontade de mudar a vida? Ah querida, não se engane, um corte de cabelo não vai ser capaz de trazer a mudança que você precisa! Organize sua vida, crie uma rotina, elas são boas, alguém já te disse?

Você não precisa de uma novidade por dia pra viver, essa ideia maluca só lhe trará descontentamento, ingratidão e contas para pagar. A plenitude da felicidade está na simplicidade do cotidiano. Cristo não exigiu de nós outra coisa, senão a renúncia dos desejos da carne pela vontade de novos prazeres e o apego a uma rotina piedosa e perseverante.

Aprenda a amar o que você tem, elimine o que não precisa e aceite a dolorosa, porém libertadora responsabilidade pela mudança na sua vida. E então, com novo e sincero propósito, sua rotina deixará de ser um fardo e passará a ser motivo de gratidão.

A vida é feita de mais que mera novidade, pelo contrário, se sustenta em pequenos costumes diários que devagarinho vão nos conduzindo ao caminho da maturidade e, assim como bloquinhos de tijolos, juntos, fazem um muro gigante. Esses costumes rotineiros atrelados uns aos outros se transformam nas coisas mais importantes da nossa vida.

Cristo não nos chamou para as novidades do mundo, mas para a novidade de Vida. Aprenda a amar sua rotina.”

Fernanda Koeler Jardim

@umafernandajardim

sábado, 4 de abril de 2020

Siga seu coração e se arrebente

Quer quebrar a cara?

Siga teu coração,
Faça o que te faz feliz,
Insista no erro,
Persista naquilo que
Deus não quer pra tua vida
E quebre a cara!

Seja obstinado,
Continue nesse estilo de vida,
Curta a impureza,
Desfrute a carnalidade,
Satisfaça a sua vontade,
E quebre a cara!

Quer continuar afundando?
Se destruindo?
Se dando mal?
Colhendo das más escolhas?
Fruto de decisões erradas?
Quebre a cara!


Pri de Luz




“Faça o que te faz feliz!




Siga o seu coração!




Nada é errado se te faz feliz!




Faça o que é bom para você, sem se importar com o que pensam!




Você acima de tudo!

Quantas vezes você foi vítima de mentiras que soam como belas verdades? Essas frases são comuns nas redes sociais. Vivemos num contexto de autoexaltação. Eu em primeiro. Sigo meu coração. Satisfazer meus desejos é tudo que me importa. Eu mereço ser feliz! 

A parte contraditória disso tudo é que essas frases sempre vêm de quem visivelmente não é feliz. De quem a todo tempo precisa afirmar algo a alguém. De quem precisa da aprovação de todos. De quem jura que é livre pra ser feliz e seguir o coração, mas não vê que é escravo de si mesmo. De quem diz que a beleza não importa, mas posta foto nua para reafirmar que é bonita. De quem diz que não se importa com riquezas, mas trapaceia para ter mais dinheiro. Que felicidade é essa, que a qualquer momento pode escorrer pelas mãos? Que coração é esse, que você segue os desejos e continua infeliz? Que liberdade é essa que você se vende para achar que tem algum valor? 

Nesse mar de mentiras, ouça a voz que te diz que o seu coração é mais enganoso do que todas as coisas. Ouça a voz que te manda renunciar a sua vida. Ouça a voz que diz que felicidade é chorar. Ouça a voz que te manda considerar os outros acima de si mesma. Ouça a voz que te diz que você já foi comprada. Ouça a voz que diz que você precisa de um Salvador, pois não pode salvar a si mesma. Quando você se aproxima daquele que te diz essas verdades, vê que a felicidade não é uma coisa que você precisa se desgastar pra conquistar e nunca conseguir. Felicidade é viver fazendo o que você foi criada para fazer: se relacionar e ter prazer em Deus. Não há felicidade à parte dEle. Quando o evangelho toca o coração do homem caído, ele toca para transformar o coração desse homem e mostrar que ele jamais seria feliz sozinho. Nós precisamos de um Salvador. E nós O temos. Aleluia.”

Isabella Oliveira

Fonte : @isa.bellaoliveira 

domingo, 1 de março de 2020

Admiração


“A admiração estimula as maiores alegrias e as mais profundas tristezas em todos nós. Eis aqui em método simples para fazer uma avaliação pessoal de onde está nossa admiração:

  • Em que situações você vivencia seus maiores momentos de felicidade e seus momentos mais sombrios de tristeza?
  • O que o deixa irado ou esmagado pelo desapontamento?
  • O que o motiva a continuar ou o faz querer desistir?
  • O que você tende a invejar na vida dos outros ou em quê a inveja deixa-o amargurado?
  • O que o faz pensar que sua vida é digna de ser vivida ou o que provoca em você a sensação de que sua vida é um desperdício?
  • Pelo que você está disposto a se sacrificar e o quê, na sua vida, você não considera merecedor de esforço?

Considere suas maiores alegrias e seus mais profundos pesares e você encontrará onde está procurando por admiração.

Veja, por exemplo, a ira. Pense na pequena proporção de momentos de ira em sua vida nos últimos dois meses que estava totalmente relacionada ao reino de Deus.

Geralmente, você não fica irado porque as coisas estão de acordo com a vontade de Deus e os propósitos do Seu reino.

Você fica irado porque alguma coisa interpôs-se entre você e algo desejado – algo que você imagina que será sua fonte de contentamento, satisfação ou felicidade.

Seu coração está desesperado para ser inspirado e você fica mal quando suas aspirações são impedidas.

O lugar em que estiver sua busca pela admiração é a direção que controlará fundamentalmente os pensamentos e as emoções do nosso coração de modo que normalmente não percebemos.”

 Paul David Tripp,

Trechos de Admiração/
Por que ela é relevante para tudo o que pensamos, fazemos e dizemos,

Páginas 14 e 15


domingo, 2 de fevereiro de 2020

Multidões X uma vida



Nosso Bom Pastor contou a parábola das cem ovelhas, sobre o pastor cuidadoso, que deixa as noventa e nove ovelhas no aprisco pra ir atrás de uma ovelhinha, apenas uma ovelhinha!

Jesus disse aos seus discípulos que lhe 'era necessário' passar por Samaria. Por quê? Por causa de uma mulher que já teve cinco maridos e que estava dormindo com o marido de outra mulher.

Nossa geração dá tanta ênfase em MULTIDÕES, EM GANHAR VIDAS, mas não se importa com UMA (como se fosse pouca coisa!).

Tanto se fala sobre missões! E pregar o Evangelho a toda criatura não é uma opção, é uma ordem! A questão é o detalhe: toda criatura! O coração que não é um missionário, certamente é um campo missionário, quer no Brasil quer na China!

 Todavia a forma com se trata o assunto, dá a entender que:

O africano importa mais do que seu vizinho,

O desconhecido importa mais do que sua família, 

Os confins da Terra importam mais do que o lugar onde você mora,

A quantidade de pessoas que você pode contar pra todo mundo que ganhou (verdade que a conversão é obra sua?) vale mais do que gastar sua vida pra ajudar pessoas a ficarem firmes, permanecerem em Jesus, não abandonarem esse caminho estreito (porque são tantos os que ouvem as Boas-Novas e aceitam com alegria, mas como Jesus mesmo ensinou na parábola do semeador, a falta de compreensão do que é ter Jesus como Senhor e Salvador e não apenas Salvador, as críticas, perseguições, as preocupações da vida e a fascinação das riquezas tem roubado/matado a semente/planta e muitos não perseveram até o fim)...

Ou seja, o que vale é o que é, aos olhos dos outros, digno de aplausos, que é notório...

Mas e aos olhos de Deus?

Segundo a Bíblia? 

É assim mesmo?

Deus é grandioso, Deus ama as multidões? Sim! Contudo Deus também está nas pequenas coisas e todas elas são importantes!

Ele é o Deus da manjedoura, do insignificante povoado de Nazaré, que chama cada estrela pelo nome, que conta os cabelos da sua e da minha cabeça (se você for careca isso não vai parecer grande coisa), que abençoa as criancinhas enquanto seus discípulos se incomodam com elas.

Ele é o Deus que se esvazia da glória (enquanto ansiamos por ela), cinge os lombos, lava os pés e serve! O Deus que toca o impuro, que compadece do leproso, vai ao encontro do paralítico, do sem rumo, do desprezado.

Ele é o Deus que valoriza uma moeda perdida, uma viúva desamparada, um louco no cemitério, um pai ou uma mãe aflitos por seus filhos problemáticos. Ele ama tanto o pescador quanto o médico, o boiadeiro e o cobrador de impostos, o rei e o mendigo, e de todos faz discípulos, amigos, Filhos, escritores da Santa Bíblia, exemplos!

Ele é o Deus da grande Jerusalém e dos confins da Terra, se importa com o judeu e o gentio, com o escravo e o livre, o são e o doente, homem e mulher, jovem e velho.

Como diz a canção infantil: “Jesus ama cada um, cada um, cada UM, Jesus ama todos. Ama o papai, ama a mamãe, irmão maior, irmão menor. Ama a ti, ama a mim. Jesus ama a todos!”.

Há um poema de autor desconhecido que sempre me faz questionar as motivações do meu coração:

Um pequenino lugar

“Onde meu Senhor, hoje vou trabalhar?
Enquanto cálido e livre fluía meu amor,
Ele me respondeu assim:
‘Vês aquele pequenino lugar?
Cuida dele para Mim.’

‘Oh, não, ali não!’, eu reagi.
‘Ninguém jamais o verá.
Por mais que eu trabalhe ali,
Meu lugar ali não será!’

Quando Sua branda e meiga voz ouvi
Com suave ternura dizer assim:
‘Procura descobrir dentro de ti:
Trabalhas para os outros ou para Mim?
O exemplo da pequenina Nazaré tu tens...
E da Galileia também’.”


E a pergunta que não quer calar é: Onde você irá trabalhar? Com quem se importará? A quem evangelizará? A quem amará? Valorizará UMA preciosa vida ou apenas multidões? Amará sua família e o desconhecido? Amará o seu vizinho, o seu próximo e também o estrangeiro daquela tribo onde o missionário está? Orará e ajudará o irmão que senta do seu lado na igreja (e que às vezes você nem sabe o nome) e também o irmão da igreja perseguida do outro lado do mundo?

sábado, 11 de janeiro de 2020

E suas expectativas para 2020?

"Quando eu era bem novinha acreditava que quando chegássemos a 2020 tudo seria muito diferente, as roupas seriam prateadas e o trânsito seria um emaranhado de vias com pessoas em patins movidos a energia e carros voadores que sobrevoariam tudo com tanta rapidez que quase tirariam o foco dos telões gigantes cujo objetivo era anunciar as promoções de robôs domésticos e de vôos comerciais até a Lua. Cheguei até aqui e a realidade é bem menos intergaláctica, as roupas femininas estão cada dia menores, as masculinas quase não diferem das femininas e as infantis são basicamente uma reprodução em escala mini da vulgaridade das roupas adultas. Sem carros voadores no trânsito, sem robô levando cachorros híbridos de madames com cabelo arqueado e batom metálico para passear e a beleza do mistério sobre o que existe lá em cima ainda nos fascina tanto quanto ou mais do que fascinava 20 anos atrás.

Mas algo mudou no maravilhoso e pequenino planeta azul: nós podemos ter duas vidas. Podemos ser pobres e ao mesmo tempo ostentar viagens e roupas de marca, podemos ser mal educados, preguiçosos, orgulhosos e infiéis e ao mesmo tempo receber elogios por sermos incrivelmente caprichosos organizado e piedosos.

É isso, o futuro chegou, e trouxe consigo a capacidade de potencializarmos nosso pecado. A terrível realidade das redes sociais: as pessoas criam vidas paralelas às suas, decidem abandonar a realidade e simplesmente viver a vida nova, onde podem ser inteligentes sem estudar, piedosos sem piedade e humildes servos sem serviços. E nós consumimos isso, muitas vezes, sem saber, ou fingindo que não sabemos, porque o fulano é divertido, ou a fulana tem fala doce. Sem querer nós financiamos essa distopia maluca que transforma seres humanos em escravos virtuais, e quantas vezes não chegamos perto de nos tornarmos também um?

A atual luta contra a vaidade não é a mesma que lutamos anos atrás, é maior, mais perigosa e se traveste de tecnologia, suga nossa alma, nos empesteia de inveja, vaidade e preguiça, nos cega com um brilho falso e nos impede de enxergar a verdadeira vontade Daquele que é nosso criador e dono do universo.

Mas a verdade não muda, e a verdade é também o Caminho, único, reto, estreito, real. A Verdade não se ensoberbece, não fraqueja, não vacila, a Verdade não mente, não engana e não finge, a Verdade ama, cuida, serve, acolhe e protege, nos servindo de exemplo e de apoio, e nos conduzindo rumo ao eterno lar, que é melhor que as diversões de qualquer outra dimensão, maior que qualquer universo e mais real que o chão que  pisamos agora.

Maravilhosa verdade, que nos toma em amor e com graça se revela! Que possamos ser poupados das seduções de todas as falsas vidas que podemos criar e viver, privados dos desejos do nosso coração e moldados à imagem daquele que um dia nos abrirá as portas do verdadeiro lar, Eterno e Terno Lar."

Fernanda Koeler Jardim

Fonte:  Instagram @umafernandajardim

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

APHORAO


“Como podemos encontrar a força de que precisamos para resistir? Como podemos evitar o desânimo da alma? O escritor aos Hebreus nos dá a resposta (Hb 12:1-3).

A palavra grega APHORAO, traduzida nesse versículo como ‘olhando firmemente’, significa ‘desviar os olhos de uma coisa para enxergar outra’.

Conforme suportamos o sofrimento, seja ele pelo nosso pecado, pelo pecado de alguém contra nós, ou o sofrimento peculiar em um mundo caído, devemos transferir o foco dos nossos olhos, de nosso sofrimento para o sofrimento dEle. Devemos fixar nosso olhar em Jesus.

Devemos deixar de olhar para a nossa dor e considerar como Ele sofreu e por quê. Ele sofreu como o autor e consumador da sua fé. A razão pela qual você e eu temos fé hoje, e a razão pela qual podemos ter certeza de que teremos fé em todos os ‘amanhãs’, é o sofrimento de Jesus.”


Elyse Fitzpatrick,

Trechos de Um coração inabalável,
páginas 43 e 44