sexta-feira, 22 de junho de 2018

Perdoando as feridas feitas por um amigo

“Eu pensei que fôssemos amigos. A dor por trás dessas palavras pode ofuscar anos de vida, amor e memórias. Todos os bons momentos desaparecem ao preto quando uma amizade é traída. Investimento, pelo ralo. Vulnerabilidade, restrita. Confiança, quebrada. O amor foi questionado.

Amigos machucam os amigos. É inevitável porque cada amigo é um pecador, e os pecadores pecam uns contra os outros e se machucam - intencionalmente ou involuntariamente. De qualquer forma, é sempre mais difícil recuperar-se da dor infligida por um amigo.

A dor da convicção que vem através da repreensão piedosa de um amigo que fala verdade amando é um presente real (Provérbios 27: 6). Mas e se você é quem pecou, ​​e você está machucado por causa de palavras, traição ou manipulação por uma pessoa que considera um amigo? Como você aborda isso com seu amigo e como se move além da dor e para a reconciliação?

No meio de sua dor, confie que Deus esteja trabalhando em seu relacionamento para crescer tanto na graça quanto no conhecimento de Cristo: "Confie nEle em todo o tempo, ó povo" (Salmo 62: 8).

É a glória (ou a beleza) de alguém ignorar uma ofensa (Provérbios 19:11). Isso requer prudência, paciência, maturidade e sabedoria. Com vista para uma ofensa adorna o evangelho e é uma resposta amorosa que demonstra que somos de fato os discípulos de Cristo (João 13:35).

No filme de Disney Frozen, Elsa abandonou a cautela e a prudência, renunciando a sua personagem de boa menina para libertar sua fúria fria na cidade de Arendelle. Suas ações afetaram negativamente todos e tudo a seu redor. Em nossa carne, somos tentados a desencadear nossa fúria reprimida e congelada em nosso amigo ao invés de confiar em nosso Senhor. A sabedoria não "deixa isso" como uma rainha do gelo. Em vez disso, ela morre para si mesmo, mostrando restrições e transformando a dor sobre Jesus, que mais se identifica conosco em nossa dor e que nos encontra em nossos momentos de necessidade.

Uma advertência: ignorar uma ofensa não é uma licença para usar o silêncio como uma arma, ou para abrigar sentimentos doentios que voltarão a perseguir o relacionamento mais tarde. Em vez disso, é ter uma consciência limpa diante de Deus de que esse dano não está em um nível que precisa ser abordado (pelo menos não agora), mas uma vontade de "perdoar e esquecer". É muito melhor ganhar seu amigo do que ganhar um argumento.

Às vezes, você não pode simplesmente ignorar uma ofensa. Se o seu primeiro pensamento é "eles precisam ser informados", isso pode ser sua auto justiça falando e não o Espírito. Nosso objetivo deve ser a reconciliação nascida do amor.

No entanto, encontraremos momentos legítimos e ocasiões em que precisamos resolver uma dor. Podemos tentar corrigir o erro, mas lembre-se de que a vingança é do Senhor e Ele pagará (Romanos 12:19). Então, isso não é um chamado para atacar e lutar de volta. Este é um chamado amoroso para a repreensão bíblica.

Nos ensinamentos de Jesus sobre o pecado, Ele diz aos discípulos:

    "Se o seu irmão pecar, repreenda-o, e se ele se arrepender, perdoe-o, e se ele pecar contra você sete vezes no dia e se virar para você sete vezes, dizendo:"Eu me arrependo", você deve perdoá-lo. Lucas 17: 3-4

Repreender é frustrar com seu vizinho (Levítico 19:17), para lhe dizer sua culpa (Mateus 18:15), com um espírito de gentileza (Gálatas 6: 1) com a esperança de que seu amigo se arrependa.


Mas o ensinamento de Jesus vai muito mais longe, dizendo que podemos ser machucados novamente, e devemos estar prontos para perdoar sempre. O perdão pode parecer quase impossível se esquecermos de Cristo. Ele "nos perdoou todas as nossas ofensas, cancelando o registro de dívidas que se opunha contra nós" (Colossenses 2: 13-14). Quando estávamos em rebelião aberta contra Ele, Ele morreu por nós (Romanos 5: 8). Mesmo agora, como aqueles cujos pecados foram pregados na cruz com Cristo, e cujas vidas foram criadas com Cristo, "se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar nossos pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1: 9).

Se você foi ferido por um amigo, derrame seu coração a Ele em oração por sabedoria, por perdão, por reconciliação (Salmo 62: 8). Aqui estão alguns pontos de oração que podem ajudá-lo a lidar com dano com sabedoria e graça:

    Ore para que Deus busque seu coração ferido (Salmo 139: 23). Você foi ferido porque seu pecado foi exposto? Você estava excessivamente sensível a algo que foi dito? Você estava cansado? O que você sofreu com um padrão de seu amigo ou uma primeira vez?

    Ore pela graça de pensar sobre o que é verdadeiro, honrado, justo, puro, adorável, louvável, excelente, louvável em você e em seu amigo (Filipenses 4: 8).

    Ore por discernimento: Deus quer que você ignore ou enfrente a ofensa?

    Se você deve abordar a ofensa, ore para que seja sincero e gracioso com o seu amigo pelo jeito que você sofreu e que seu amigo possa responder com humildade.

    Ore para que você ame seu amigo em todos os momentos, mesmo os difíceis, e que você possa "viver em harmonia uns com os outros" (Romanos 12:16).

Vale a pena ignorar uma ofensa se puder e confiar que Deus está trabalhando em você e no coração de seu amigo, orar pela sabedoria, amor e reconciliação, repreender gentilmente e estar pronto para perdoar. Cristo ensina que "não há maior amor que alguém dar a vida por seus amigos" (João 15:13). Ele então chama seus discípulos de seus amigos (João 15: 14-15), e pouco depois, Ele literalmente morreu por seus amigos.

Se Jesus pudesse fazer um sacrifício tão radical e amoroso por seus amigos - amigos que duvidariam e negariam - certamente podemos trabalhar para restaurar nossas amizades quebradas. Amizades divinas são testemunhas do mundo. Nelas, colocamos nosso amor por Cristo e um por outro em exibição.”


Kristie Anyabwile, em



http://www.desiringgod.org/articles/forgiving-the-wounds-of-a-friend

terça-feira, 12 de junho de 2018

O autoexame fala mil mentiras

“A introspecção insalubre é uma ameaça diária à nossa alegria em Cristo. Muitos de nós tendem a nos examinar de uma maneira que é excessiva, imprecisa e leva ao desânimo.

Estou falhando em tudo. Não gosto do jeito que Deus me fez. O Senhor não está me ajudando. Meu serviço é inútil. Meus brindes são inúteis. Meu crescimento é impossível.

A depressão espiritual autoexaminadora fala mil mentiras. O evangelho fala melhor.
Quando o autoexame é mau

Deus nos chama a nos examinar (2 Coríntios 13: 5; Lamentações 3:40), mas um autoexame saudável é um dever difícil e perigoso. A carne apreende o autoexame como uma oportunidade para transformar nossos pensamentos contra nós. A introspecção é enganosa porque muitas vezes parece que estamos fazendo o que é certo: não somos indiferentes ao nosso pecado - queremos buscá-lO! Mas quando essa introspecção nos torna autoabsorvidos em vez de absorvido em Cristo, nós minamos nossa fé.

Como Charles Spurgeon disse uma vez: "Qualquer prática que prejudica a fé é uma prática maligna, mas especialmente esse tipo de autoexame que nos afasta do pé da Cruz prossegue em uma direção errada".

Estou familiarizado com esse mal: o autoexame que diminui a fé e afasta-se do pé da Cruz.

Fui uma vez numa reunião de oração com um grupo de pastores e passei a reunião inteira pensando em mim e avaliando minhas contribuições. E porque, aparentemente, não era suficiente autoabsorção por um dia, deixei a reunião e passei o resto da tarde continuando a autorreflexão: considerando se eu compartilhava demais ou muito pouco, me perguntando o que os outros pensavam de mim, examinando meus motivos, e especialmente na esperança de não orar nada burro ou herético.

Thomas Chalmers, um líder da igreja escocesa no século 19, sabia que o autoexame pode ser cansativo e infrutífero. Ele já comparou o autoexame com um quarto escuro cheio de objetos. Não podemos ver o que há porque o quarto é preto. Essa escuridão é a razão pela qual olhar para nós é muitas vezes tão infrutífera.

Como iluminamos a sala? Não esticando os olhos ou tomando mais tempo e esforço para examinar a escuridão. Nunca nos veremos claramente, simplesmente, concentrando-nos mais intensamente em nós mesmos.

Em vez disso, Chalmers diz que devemos ir à janela e abrir as cortinas. Deixe a luz de Cristo invadir a escuridão de sua alma. A luz solar na imagem de Chalmers é a verdade da palavra de Deus: "Se não obtivermos nada de bom com o trabalho de autoexame, porque achamos que tudo é confusão e confusão dentro", diz ele, "então vamos seguir as verdades que estão livres, e estes derramarão um dilúvio de luz em todos os labirintos e complexidades da alma, e, por fim, facilitarão esse trabalho, o que antes era impraticável".


Se você está atualmente perdido no labirinto de preocupações introspectivas, conscientes da confusão e do caos dentro, e sobrecarregados pela autorreflexão renegada, o melhor que pode fazer é absorver o sol da verdade de Deus.

Vá para a Palavra, ouça a voz do Senhor, e experimente o fluxo de luz divina que derrama em sua mente com clareza e conforto. A luz solar do evangelho da graça fornece a atmosfera necessária para o autoexame saudável.

Então, quando vamos à palavra de Deus, que luz o evangelho derrama na escuridão do autoexame?

O evangelho traz proporção ao nosso exame.


À medida que aprendemos a tesouro de Cristo, passaremos muito mais tempo buscando Cristo do que a nós mesmos. Aprendemos que não somos mudados ao nos contemplar, mas ao contemplar Cristo (2 Coríntios 3:18). Robert Murray M'Cheyne disse: "Para cada olhar para você, pegue dez olhares para Cristo".

O evangelho traz perdão ao nosso exame.

Deus sabe o pior sobre você e ama você ainda. "Ele não nos lida de acordo com nossos pecados" (Salmo 103: 10), e promete que se confessarmos nossos pecados, Ele nos perdoará e nos purificará (1 João 1: 9). Somente quando estamos seguros no amor de Deus para nós em Cristo, somos capacitados para o autoexame que é humilde, confiante e frutífero.

O evangelho traz percepção ao nosso exame.

As coisas mais importantes que precisamos saber sobre nós mesmos não são encontradas olhando para dentro, mas olhando para Cristo. Na sua morte e ressurreição, nossa identidade entra em foco. Vemos quão preciosos e honrados somos a vista de Deus, a seriedade do nosso pecado, a glória da nossa nova identidade e o futuro que temos em Cristo.

O evangelho traz poder ao nosso exame.

A graça transforma o exame de um tirano e um fardo em um meio de fé, amor e esperança. O autoexame não precisa ser um cofre de água lançado nos incêndios de nossa fé. Em vez disso, pode ser combustível. Podemos ver onde Deus está trabalhando em nós, e podemos avançar com a confiança de saber que Aquele que começou um bom trabalho em nós o completará (Filipenses 1: 6).

O evangelho está informando sua autorreflexão? Sempre olhe para cima antes de olhar para si. Nunca deixe o pé da cruz. Bem-vindo à luz do Sol, e observe o fim da escuridão.”


Jared Mellinger, em



http://www.desiringgod.org/articles/self-examination-speaks-a-thousand-lies

domingo, 3 de junho de 2018

Confiando em Deus quando a dor parece sem sentido

“Escrevi nove novelas. Suponha que você possa entrevistar personagens de meus livros. Se você lhes perguntasse: "Você gostaria de sofrer menos?" Tenho certeza de que eles responderiam: "Sim!".

Eu simpatizo com meus personagens. Mas, como autor, sei que, no final, todo o seu sofrimento valerá a pena, já que é fundamental para o seu crescimento e para a história redentora.

Deus escreveu cada um de nós em Sua história. Somos parte de algo muito maior do que nós mesmos. Deus nos chama a confiar nEle para tecer essa história juntos, de modo que, no final, que nunca acabará, vamos adorá-lO, devagar, com a pura genialidade de Suas tramas entrelaçadas.

Mas, como meus personagens de ficção, que não tem ideias para minhas estratégias, não temos a perspectiva de ver como partes de nossas vidas se encaixam no plano geral de Deus. Câncer, deficiências, acidentes e outras perdas e dores parecem devastadoramente inúteis. No entanto, apenas porque não vemos nenhum ponto no sofrimento não prova que não tem sentido.

Joni Eareckson Tada está comemorando seu quinquagésimo ano em uma cadeira de rodas. Comemorar parece ser a palavra errada? Joni, com 17 anos de idade, quis desesperadamente acabar com sua vida. Ainda olhando para trás, vemos seu crescimento exponencial do caráter e as inúmeras vidas - incluídas na minha família – que Deus tocou por meio da vida de Joni. As Escrituras nos ensinam que nas mãos amorosas de nosso Deus soberano, nenhum sofrimento que enfrentamos é sempre sem propósito, não importa o quanto pareça no momento.

Quantas vezes Deus tem um propósito em eventos que parecem sem sentido quando acontecem?


Romanos 8:28 é uma das declarações mais impressionantes nas Escrituras: "Sabemos que, para aqueles que amam a Deus, todas as coisas funcionam juntas para o bem, para aqueles que são chamados de acordo com Seu propósito". O contexto mostra que em um gemido, a preocupação de Deus está conformando Seus filhos com a imagem de Cristo. E Ele trabalha através das circunstâncias desafiadoras de nossas vidas para desenvolver nossa semelhança cristã com Ele.

Nos Romanos 8:28 do Antigo Testamento, José disse a seus irmãos (que o venderam na escravidão): "Quanto a vocês, vocês quiseram o mal contra mim, mas Deus quis isso para o bem, para que as pessoas sejam mantidas vivas "(Gênesis 50:20).

"Deus quis isso para o bem" indica que Deus não apenas fez o melhor de uma situação ruim; Em vez disso, plenamente conscientes do que os irmãos de José fariam, e permitindo livremente o seu pecado, Deus pretendia que a situação ruim fosse usada para o bem. Ele fez isso de acordo com Seu plano desde a eternidade passada. Os filhos de Deus "foram predestinados de acordo com o propósito dAquele que trabalha tudo de acordo com o conselho deSsua vontade" (Efésios 1:11).

Nada sobre o trabalho de Deus na vida de José sugere que Ele trabalhe de forma diferente na vida de Seus outros filhos. Na verdade, Romanos 8:28 e Efésios 1:11 são enfáticos que Ele trabalhe da mesma maneira conosco.

Você acredita na promessa de Romanos 8:28? Identifique as piores coisas que aconteceu com você e, em seguida, pergunte-se se você confia em Deus para usar essas coisas para o seu bem. A Bíblia afirma que Ele irá.

Se supostamente assumimos que nosso Pai não tem direito a nossa confiança, a menos que Ele faça Sua inteligência infinita completamente compreensível, criamos uma situação impossível - não por causa de Suas limitações, por causa da nossa (ver Isaías 55: 8-9).

Ocasionalmente, como José eventualmente experimentou, Deus nos dá vislumbres de Sua lógica. Algum tempo atrás, um amigo meu sofreu um acidente grave e uma recuperação dolorosa. Mas salvou sua vida. Testes médicos revelaram uma condição não relacionada que precisava de atenção imediata.

Nesse caso, uma razão convincente para o acidente tornou-se clara. Em outros casos, não conhecemos os motivos. Mas dado tudo o que não sabemos, por que assumimos nossa ignorância das razões significa que não há motivos? Somente Deus está em posição de determinar o que é e não é inútil. (A morte irrepreensível de Jesus não apareceu gratuitamente e sem sentido na época?)

Dada a opção ao enfrentar suas provações, estou confiante de que José teria abandonado o palco da história de Deus. No meio da história de Jó - com dez filhos mortos, seu corpo coberto de furúnculos, aparentemente abandonado por Deus - pergunte se ele queria sair. Conheço sua resposta porque em Jó 3:11, ele disse: "Por que eu não morri no nascimento?"

Mas tudo acabou agora. Na nova terra nova, sente-se com Jó, José e Jesus em um banquete generoso. Pergunte-lhes: "Realmente valeu a pena?"

"Absolutamente", diz Jó. José assinala enfaticamente. Não precisa se perguntar como Jesus responderá.

Um dia, nós também veremos em Seu contexto maior, com uma perspectiva eterna, as severas misericórdias de Deus, algumas das quais nunca entendemos, e outras das quais nos ressentimos. Nós nos perguntamos porque oramos para ser mais como Jesus, mas imploramos a Deus que remova o que Ele enviou para responder a essas orações.

"Portanto, não desistimos... porque a nossa luz momentânea, a tristeza está produzindo para nós um eterno e incomparável peso eterno de glória. Então, não nos concentremos no que é visto, mas no que não é visto; pois o que é visto é temporário, mas o que não é visto é eterno "(2 Coríntios 4: 16-18, CSB).

Fé é acreditar hoje, o que um dia, em retrospectiva, veremos ser verdade o tempo todo. Não espere até cinco minutos depois de morrermos para confiar que Deus sempre tem um ponto. Vamos aprender a fazê-lo aqui e agora, os olhos estão presos em nosso misericordioso, soberano e sempre proposital Redentor.”


Randy Alcorn, em



domingo, 27 de maio de 2018

Minha alma está sedenta por Ti

“Quanto você pensa sobre água quando não está com sede? Se você é como a pessoa média, não muito. Se você é consciente da saúde, talvez pense na água regularmente como parte de seu regime geral de bem-estar - uma hidratação disciplinada.

Mas quanto você pensa da água quando está com sede? Muito. Você não pode si ajudar. Ela está perto da vanguarda da sua mente. Quanto mais você sente, mais água domina seus pensamentos. Você começa a notar tudo o que tem conotações de água: copos, fontes, chuva, imagens de água. Quanto maior a sede, mais fervorosa é a busca.

E quanto mais sedento você está, menos deseja outros líquidos. Refrigerante, por exemplo, é mais atraente como uma forma de entretenimento ou distração líquida, e tem uma baixa qualidade. Mas quando você se sente ressecado, você não quer refrigerante - na verdade, não quer outro líquido. Você quer a única coisa que mais acabará com sua sede: a água.

A água é realmente tão experiente como satisfatória quando a nossa necessidade real é que realmente a queremos. Da mesma forma, Deus só é experimentado como satisfatório quando nossa necessidade real por Ele nos faz realmente querer Ele.

Caminhando penosamente através do deserto árido da Judéia, fugindo de mais um esquema de assassinato, Davi derramou seu desejo diante de Deus,

    “Ó Deus, Você é meu Deus; fervorosamente eu procuro Você; minha alma tem sede por Você; minha carne se desfalece por Você, como em uma terra seca e cansada, onde não há água.” (Salmo 63: 1)

Observe com atenção: o que tornou Davi tão sério em sua busca por Deus? Sua sede de Deus. E o que o deixou tão sedento? A falta da água - a sua inexperiência na falta de Deus.

Isso é crucial para a compreensão dos caminhos de Deus e por que Ele nos permite experimentar estações secas, estéreis, sombrias e opressivas: nossa experiência na falta do que realmente precisamos nos faz realmente desejar o que realmente precisamos. Esta é a benignidade dos lugares estéreis: eles nos ensinam ambos; a querermos mais e a buscar o que mais precisamos. Este é um presente doloroso de valor incalculável, porque não nos leva a mais nada, para a única fonte que irá acabar com nossa sede de alma, e é por isso que Davi prosseguiu dizendo:

    “Então eu olhei para Você no santuário, vendo Seu poder e glória.” (Salmo 63: 2)

A sede da alma de Davi levou-o a buscar sua satisfação em Deus. E esse é o propósito de sua sede da alma.

Mas Davi nem sempre se sentiu assim. Quando ele estava no auge de seu sucesso, quando era rico, saciado e seguro em seu reinado, sua alma perdeu sua ansiosa sede de Deus. E o que aconteceu? Bate-seba tornou-se uma atraente e intoxicante bebida de alma. Ele fez algo em sua prosperidade que nunca teria feito enquanto vagava pelo deserto cansado e sem água: bebeu da cisterna quebrada da imoralidade sexual.


É uma grande e triste ironia do coração humano caído: aquilo que faz os lugares estéreis abençoados - o despertar de uma sede desesperada de Deus - é muitas vezes e muito facilmente destruído pelas mesmas coisas que consideramos as bênçãos da abundância. Quando não temos sede de Deus, sofremos uma doença da alma e é uma doença grave. O hino, Frederick William Faber, descreveu-se assim:


    Pois a falta de desejo é a doença de todos os males;
    Muitos milhares através dele, os caminhos sombrios pisaram,
    O bálsamo, o vinho das vontades predestinadas
    É um pungente júbilo e saudade de Deus.

                                  ("O Desejo de Deus")


Faber está exagerando o caso? Não penso assim, pois acredito com todo o meu coração que Deus é mais glorificado em nós quando estamos mais satisfeitos nEle. E nós só buscamos nossa satisfação em Deus quando Deus é o que mais desejamos.

Um grande desejo pode ser - e na maioria dos casos deve ser - perseguido através de algum regime de disciplina. E um regime de disciplina pode alimentar o fogo de um desejo decrescente. Mas a disciplina não substitui o desejo.

Nenhum ato de grande fé, não possuindo um grande presente espiritual, nenhum grande sacrifício de bens, parentes, ou esta vida mortal pode tomar o lugar do amor (1 Coríntios 13: 1-3). Nenhum ato externo da adoração de Deus pode substituir o desejo interior de Deus.


Quando Davi, com uma sede de Deus, O procurou com firmeza e olhou para o poder e a glória, ele disse e escreveu o equivalente a um “aaaahhhh” de um homem sedento satisfeito após um longo gole de água fria,


    “Porque o Seu amor firme é melhor do que a vida, meus lábios irão Te louvar. Então, vou Te abençoar enquanto eu viver; em Seu nome, levanto minhas mãos.” (Salmo 63: 3-4)

Não há maior experiência terrena do que beber de Deus e provar algo que é melhor do que permanecer vivo na Terra. Você já provou isso? Poucos cristãos provaram, eu receio. Pelo menos na América parece que somos muito facilmente satisfeitos em falar sobre a verdade de que viver é Cristo e morrer é ganho, sem realmente provar a verdade para nós mesmos (Filipenses 1:21). Mas uma vez que provamos, nunca nos contentaremos com mera conversa.

Não fique contente até você provar. Não se contente com uma mera convicção teológica de que é bom desejar a Deus. Não se contente com o simples desejo de desejar a Deus. E pelo amor de Deus (e o seu), não se contente com a simples reputação dos outros como alguém que deseja Deus. Não se contente até você provar e ver que o Senhor é bom - tão bom que você percebe que Ele não só é o melhor da vida, Ele é melhor do que esta vida (Salmo 34: 8).

Nós só saborearemos Seu bem quando realmente tivermos sede dEle. Não pensamos muito em Deus se não tivermos sede dEle. Mas se as nossas almas estão secas para Deus, e nós sentimos que vamos desmaiar, a menos que bebamos dEle, nós O procuraremos com firmeza. O desejo intenso corta milhares de distrações e nos concentra como nada mais.

Então implore a Deus para receber as bênçãos dos lugares estéreis:

    Sim, consuma-se para o seu Deus, alma desmaiada! Sempre consuma-se;
    Oh, desmaie em meio ao que a vida te traz de alegria;
    Esfomeada, sedenta e inquieta - deixe sua vida sem assim-
    Para que a sua visão seja do Céu, enquanto seu o desejo acontece na Terra.

                                                                               (Faber, "O desejo de Deus").”

Jon Bloom, em



http://www.desiringgod.org/articles/my-soul-thirsts-for-you

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Quando você não conseguir ouvir Deus, continue falando com Ele

“Nosso mundo está cheio de pecado e sofrimento, o tipo de dor e escuridão que penetra em cada coração e vida. Não há como contorná-lo. Seguir Jesus nos salvará de mil males, mas não nos impedirá de nos machucar nesta vida.

Se O conhecemos, sabemos no fundo que esses sofrimentos destacam a nossa dependência (2 Coríntios 1: 8-9) e nos ajudam a confortar os outros com o próprio conforto de Cristo quando compartilhamos seus sofrimentos (2 Coríntios 1: 3-7) . Sabemos que a força de Deus é perfeita nas nossas fraquezas, e até sabemos o sentimento profundo de estar "satisfeito" com a nossa fraqueza por causa dessa realidade (2 Coríntios 12:10). Sabemos que nossas provações produzirão uma fé testada, refinada e cheia de alegria glorificada (1 Pedro 1: 6-7). Conhecemos profundidades que podem criar uma profunda esperança sob a dor mais profunda.

Exceto que, às vezes não.

Às vezes, nós pregamos essas verdades para nós mesmos e nossos corações não são movidos. Nós gememos e desejamos que a vida seja tão diferente do que é (Romanos 8:23). Oramos e clamamos e suplicamos, e as coisas só parecem ser mais irresistíveis e difíceis. Às vezes, nossos corações simplesmente sofrem com a dor de sonhos quebrados, relacionamentos quebrados, corpos quebrados e pecaminosos.

Você já teve essa experiência? A esperança não vem. A felicidade não inunda seu coração. As nuvens de depressão não explodem. As lutas abruptas simplesmente o dominam mais. Os relacionamentos não são restaurados. O que podemos fazer?

Às vezes, acumulamos expectativas nocivas em circunstâncias já dolorosas. Poucas coisas são mais apreciadas do que "ter tudo junto". Mesmo nos círculos cristãos, há uma sutil corrente subterrânea que sempre devemos ter uma esperança cintilante logo acima da sujeira do desespero.

No Salmo 88, os autores começam afirmando: "Ó Senhor, Deus da minha salvação", mas esse primeiro verso é a última nota de esperança no Salmo. Só se lamenta depois dessas seis palavras. Agora, é claro, há perguntas, como a do Salmo 88:10, que se respondidas corretamente inundariam nossos corações com esperança. Mas os salmistas ainda não estão lá. Eles só estão fazendo perguntas difíceis.

Como nos afligimos como o Salmo 88 - sem minimizar nossa dor e sem perder nossa esperança?

Primeiro, penso que a experiência normal da vida em Cristo será uma que é triste e regozijante, (2 Coríntios 6:10) - evangelho - a esperança quebrando e o trabalho desesperando, lado a lado, cada dia até que Jesus retorne. Devemos esperar sofrer, e pregar para nós mesmos que a verdade profunda do evangelho brilha através dela, e mesmo nela.


Em segundo lugar, às vezes passamos por períodos de luta mais esmagadora do que uma esperança irresistível. A vida é irresistível. Parece demais. Parece que Deus está empilhando-o. Meu conselho é seguir o exemplo no Salmo 88 e continuar falando com o seu Salvador - mesmo quando você não está pronto para recitar todas as respostas certas ainda.

Diga-lhe que você confia nEle, mas que você precisa dEle para ajudar em sua incredulidade atual (Marcos 9:24). Às vezes, são as repetidas conversas difíceis com Deus que, eventualmente, trazem o avanço para a intimidade e ajudam a necessidade desesperada. Não carregue sobre si mesmo o encargo extra de "estar bem". Coloque esse peso de lado e olhe para Jesus (Hebreus 12: 1-3), lançando todos os seus cuidados sobre Ele. Seja sincero com Deus. Ele pode lidar com isso. E Ele cuida de você (1 Pedro 5: 7)!

Terceiro, sejamos honestos e compassivos uns com os outros. Vamos nos sentar rápido com as pessoas e chorar com as pessoas (Romanos 12:15), e estar ansiosos para suportar os fardos uns dos outros (Gálatas 6: 2). Uma das maneiras surpreendentes com que Deus conforta seu povo é através do conforto de outros crentes que também lutaram e podem se relacionar (2 Coríntios 1: 3-11).

Quando a vida parece difícil demais, conte a Deus. Quando parece que Deus não está perto, conte a Deus. Quando parece que você não pode continuar, conte a Deus. Quando parece que a dor nunca vai parar, diga a Deus. Quando parece que você quer desistir das coisas, diga a Deus. Quando se sente sombrio e escuro, e nenhum raio de luz está passando, diga a Deus.

Ele é seu Salvador. Isso não vai mudar. E mesmo quando não se sente assim, Ele está ouvindo.

E então, encontre alguns membros da família de Cristo comprada pelo sangue, e diga-lhes também. Estamos destinados a suportar os fardos uns dos outros. Retire a máscara. Retire a fachada das redes sociais. E deixe as pessoas entrarem na sua vida para que possam estender-lhe o conforto de Cristo e ajudá-lo a suportar o desconforto único que você está trazendo hoje - físico, relacional, espiritual ou de outra forma.

Deus irá ajudá-lo - através da oração ao buscá-lo, através de Suas promessas enquanto você as lê, e através de Seu povo enquanto você os aproxima de sua vida.”


Dave Zuleger, em



sexta-feira, 4 de maio de 2018

O que há de errado com isso?

“Quando o humor na mídia se torna pecaminoso? Toda a minha abordagem para o que os cristãos veem, escutam ou como são entretidos não é governada principalmente pela pergunta "O que há de errado com isso?". Isso parece, para mim, ser uma abordagem muito diferente do que da maneira como o Novo Testamento (como Paulo, especialmente) aborda questões do certo e do errado.

Sempre tenho a impressão de que a pergunta "O que há de errado com isso?" está subindo de um coração que é basicamente governado por um desejo de minimizar o erro em vez de maximizar a santidade ou a fé ou o poder espiritual ou o culto ou o zelo pelas perdas ou missões ou justiça . Precisamos reorientar nossas mentes sobre o que devemos pensar e sentir quando se trata de entretenimento.

Eu poderia, suponho, ir a versos específicos (eles estão lá por algum motivo) e apontar coisas que estão erradas que você pode encontrar em programas de TV e, portanto, evitar - como conversa obscena em Colossenses 3: 8 ou imundície, loucura, e brincadeiras cruas de Efésios 5: 4. O problema com essa abordagem, agora neste podcast, é que vai deixar milhares de cristãos exatamente onde eles estão na imaturidade e mundanismo de suas paixões, que é o principal problema.

Acho que a maioria dos cristãos está tão controlada pelo espírito da época e no domínio da cultura popular e dos entretenimentos populares que o tipo de reorientação radical de que estou falando é quase impensável para eles. Como adotei essa mentalidade, alguns pequenos alertas de versículos da Bíblia que desaprovam certas coisas me parecem quase inúteis.

Aqui está o meu esforço em reorientar nosso pensamento. Para que isso aconteça, seria uma ótima obra de Deus, não minha. Seria um milagre se acontecesse a alguns ouvintes. Eu certamente preciso que isso aconteça mais profundamente na minha vida enquanto tento navegar nessas águas culturais.

O que eu quero perguntar é: o que você está desejando com muita seriedade e com a maior paixão em sua vida? O que você está desejando? Digamos apenas em sua relação com Cristo - em sua caminhada pessoal e relação com Cristo - o que você está desejando?

Você está desejando uma maior intimidade? Anseia por uma maior profundidade? Deseja maior poder? Deseja maior clareza ao ver Sua glória nas Escrituras? Está ansioso para ouvir Sua voz com maior confiança ao ler Sua palavra? Quer discernir Sua vontade com mais confiança? Quer andar mais de perto dEle em um relacionamento real, como pessoa real? Deseja Seu sorriso de favor ao invés de Suas frustrações de disciplina?

Você pensa nestes termos? Você vai para a cama com esses desejos? Acorda com esses anseios que governam sua vida? Você dedica tempo, talvez no Dia do Senhor, a buscar o rosto para intensificar esses anseios? Caso contrário, esse é o problema.

Isso é dez mil vezes mais importante do que o particular mostra em que você clica. Isso irá reger isso. Mas se isso está faltando - se a crescente intensificação desses anseios em seu relacionamento com Jesus está faltando - nenhuma resposta fará qualquer diferença sobre seus hábitos de entretenimento.

Vamos apenas colocar a questão um pouco diferente.

O que você deseja em seu relacionamento com outras pessoas? Você deseja representar Jesus com maior força contundente? Deseja um amor maior pelas pessoas e um maior zelo por sua salvação? Deseja ter maior ousadia e encorajamento de Deus em sua própria representação de Cristo? Deseja ser um meio de santidade e pureza e poder de outras pessoas?


Deseja trazer a palavra de Deus do seu encontro com o Cristo ressuscitado para a vida de outras pessoas com eficácia? Anseia pela prontidão para falar palavras cheias de esperança diante daqueles que estão morrendo ou sofrendo ou saindo de divórcios?

Você tem o aroma de Cristo sobre você e anseia que em sua conversa com os outros eles digam: "Há um aroma sobre você que é diferente"? Você deseja inspirar os outros por seu próprio exemplo em uma vida de oração mais consistente, profunda e satisfatória?

Caso contrário, qual é o motivo de falar sobre se está certo ou errado? Se não temos isso, nem sequer colocamos a mentalidade que pode tornar possível esse tipo de julgamento. Agora, uma vez que esses tipos de anseios são perseguidos e você tem uma nova paixão e você foi movido de ser um cristão cultural nominal, minimalista, para um cristão autêntico, apaixonado, sério, centrado em Deus, exaltando Cristo , amante saturado da Bíblia de Jesus, então você começará a fazer perguntas como, esse “show/programa de TV/filme/seriado” edifica minha fé? Isso enfraquece minha fé?

Ou você pode fazer perguntas como esta: esse “show/programa de TV/filme/seriado” torna Cristo mais claro e precioso para mim, ou torna as coisas mais turbulentas e tornam as realidades bíblicas mais irreais? O “show/programa de TV/filme/seriado”torna a Bíblia e a imersão na Escritura e na meditação mais desejáveis ​​para o meu coração ou é ainda mais difícil encontrar tempo? Este “show/programa de TV/filme/seriado” me deixa com uma indignação para orar e buscar o rosto de Deus e aguardar Seu poder? Este “show/programa de TV/filme/seriado” afeta meu zelo por missões e meu desejo de ver a salvação vir às vidas das pessoas que me rodeiam - sem mencionar as pessoas em Hollywood?

Isso me deixa com algum desejo de um grande avivamento na minha cidade - ver as pessoas quebradas pelo pecado representado em muitos desses shows? Este show adoça minha experiência de adoração corporativa com o povo de Deus e torna-O mais autêntico?

Esse show aumenta meu senso de desejo de me arriscar pela causa da justiça e pelo avanço do domínio justo de Deus? Isso me ajuda a querer entrar em um barco ou um avião e ir a um lugar difícil e morrer por Jesus? Este show me faz um conversador melhor e mais natural sobre as realidades espirituais como o céu e o inferno, o Espírito Santo e o evangelho e a fé?

Essa é a minha resposta à questão de saber se uma pessoa deve assistir a algum show ou filme ou vídeo em particular. Meu chamado no mundo é espalhar uma paixão pela supremacia de Deus em todas as coisas para a alegria de todas as pessoas através de Jesus Cristo. "Desfrute da paixão pela supremacia de Deus" - é o que eu quero depois. Estou diante do tipo de paixão por Sua supremacia em tudo que funciona como uma prova decisiva radical sobre o que achamos divertido na mídia.”


John Piper, em


quarta-feira, 25 de abril de 2018

Onde o amor de Deus está perdido?

"Deus ama você!" Você já ouviu falar disso antes, especialmente se você esteve exposto ao tipo de ensino cristão que recebi durante toda minha infância.

Essas três palavras formaram a mensagem geral que aprendi sobre Deus como uma criança. Parecia que, para cada lição da escola dominical, todas as aulas de religião na academia cristã, e cada vez que alguém me falava sobre Deus, a declaração resumida era "Deus realmente te ama".

Não me interpretem mal - devemos estar profundamente gratos pela geração que temos diante de nós que construiu ministérios sobre esta incrível verdade bíblica. E é uma maravilhosamente insondável verdade. Mas quando somos atingidos pela vida real, não podemos parar com "Deus te ama". Devemos dar o próximo passo e nos perguntar, como Deus me ama?

Se não fizermos essa pergunta, inevitavelmente interpretaremos o amor de Deus por nós através de nossas próprias definições pessoais de amor. Então, quando os detalhes de nossas vidas não combinarem com essas definições, tropeçaremos. Na melhor das hipóteses, nos afastaremos confundidos. Na pior das hipóteses, nos separaremos de Deus completamente, assumindo que Ele não é amoroso como nos disseram - ou talvez não seja real.

Eu tinha dez anos no dia em que meu mundo mudou. "Há algo que eu tenho para lhe dizer", disse minha mãe quando as lágrimas começaram a surgir e sua voz começou a tremer. "Seu pai está no hospital. Ele teve um acidente vascular cerebral maciço." Isso é tudo o que ela conseguiu dizer antes de choramingar.

Meu pai deveria morrer naquele dia. Através da graça de Deus, ele realmente sobreviveu. Mas o mal tinha sido feito - ele tinha graves danos cerebrais, e nenhuma das nossas vidas seria igual.

Nos próximos anos, esforcei-me para conciliar a verdade de que Deus me ama com a realidade da dor da minha família. Levou mais de uma década para eu encontrar as respostas que estava procurando, mas quando li João 11: 3-6, finalmente comecei a interpretar adequadamente minha dor através da lente do amor de Deus. As respostas nessa passagem não são fáceis, mas quando tomamos estes versos com valor nominal, eles são extremamente bonitos e curadores. Esses quatro versos sustentam as respostas que nossos corações procuram, enquanto buscamos abraçar o amor de Deus, ao mesmo tempo que somos honestos com a dor que cada um experimenta.

João 11: 3-6 nos ensina que Deus realmente nos ama, mas Seu amor muitas vezes parece tão diferente do que esperamos:

    “Então, as irmãs enviaram-lhe, dizendo: "Senhor, aquele a quem amas está doente". Mas, quando Jesus o ouviu, disse: "Esta doença não leva à morte. É para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado através dele".”

Agora, Jesus amava Marta e sua irmã e Lázaro. Então, quando soube que Lázaro estava doente, ficou mais dois dias no lugar onde estava.

As duas últimas frases são talvez as duas frases mais chocantes ligadas em toda a Escritura. A maioria de nós apenas não sabe o que fazer com esses versículos, especialmente com a palavra para que comece o versículo 6. Jesus amava Lázaro e sua família, então deixa Lázaro morrer? O que você deveria fazer com isso?

Bem, na tradução da Bíblia da NIV 1984, que eu cresci lendo, eles apenas mudaram até agora. Lê-se: "Jesus amava Marta e sua irmã e Lázaro. No entanto, quando ele soube que Lázaro estava doente, Ele ficou onde estava dois dias mais." Na NLT, os tradutores acrescentaram um: "Então, embora Jesus tenha amado Marta, Maria e Lázaro, Ele ficou onde estava nos próximos dois dias."

Mas como John Piper explica em seu Laboratório de Olhar no Livro que cobre João 11: 1-6, a palavra grega no início de João 11: 6 introduz uma inferência, que exige a tradução assim ou, portanto. Eu acredito que encontramos essas formas alternativas de traduzir este versículo porque nossa compreensão da maneira como Deus nos ama é tão diferente do que João escreve aqui. É fácil assumir que há uma questão de tradução, pois parece não ter sentido em nossas mentes humanas que Jesus deixa Lázaro morrer porque o ama.

O problema é que estamos tentando conter a nossa compreensão do amor de Deus neste verso, e isso não é justo. A palavra é claramente assim, e devemos lidar com isso. Jesus amou essa família, então Ele se afastou. Temos que deixar isso entrar.

Aparentemente, o amor de Deus não é expresso em sua maior e mais alta forma, salvando-nos das provações, mas sim glorificando-se através de nossas provações.

O amor de Deus por você sempre é expresso em sua forma mais elevada quando Jesus Cristo é glorificado em sua vida. É o que João 11: 3-6 nos ensina. Deus amava Lázaro, então Deus se glorificou exaltando Jesus Cristo através de Lázaro. A maior necessidade de Lázaro não era cura, mas para ver a glória do Filho de Deus.

E porque Deus ama você e eu tanto quanto ama a Lázaro, o plano de Deus para nós é o mesmo. Os detalhes serão únicos para cada um de nós, mas a definição de amor de Deus não muda. Deus sempre está disposto a permitir que a dor de curto prazo produza glória e prazer eternos por meio de Jesus Cristo naqueles que Ele ama.

Os detalhes externos de sua vida podem ser semelhantes para o resto dos seus dias. Você pode ter o mesmo trabalho chato pelos próximos trinta anos. Você nunca pode se casar. Seu casamento pode nunca ficar muito melhor. O dano cerebral pode permanecer. Mas se você aprender a amar a glória de Deus em sua vida - em ambas as provações e triunfo, tanto no tédio como na excitação, tanto na dor quanto no prazer - você experimentará a liberdade que Jesus veio dar. Quando sua alegria não está mais ligada aos eventos da sua vida, mas à vida de Cristo, você será livre no mais puro sentido.

Se você pode entender essa verdade expressa através dessa única palavra para esses dois versos descontroladamente esclarecedores, tudo será diferente para você. Se o ponto central de sua vida se tornar a glória de Deus em todos os altos e baixos, nada será o mesmo.

Deus ama você. Então, Ele fará o que mais O exalta através da sua vida.”

Mark Ballenger, em