terça-feira, 16 de maio de 2017

Não importa o que me aconteça

“Existe uma coisa estranha chamada ‘odiar a sua vida neste mundo’. “Aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna” (Jo 12:25). O que isso significa? No mínimo, significa que você não se inquieta com sua vida neste mundo. Em outras palavras, não se importa muito com o que acontece à sua vida neste mundo.

Se os homens falam bem de você, isso não tem grande importância. Se o odeiam, você não se incomoda com isso. Se você possui um monte de coisas, isso não importa tanto; se é pobre, tal condição não o inquieta. Se é perseguido ou as pessoas mentem a seu respeito, você não se importa muito com isso. Se é famoso ou desconhecido, não importa muito. Se está morto, essas coisas simplesmente não importam muito.

No entanto, isto é ainda mais radical. Há algumas escolhas que devemos fazer neste mundo, e não somente experiências passivas. Jesus prosseguiu e disse: “Se alguém me serve, siga-me” (Jo 12:26). Para onde? Ele se dirige ao Getsêmani e à cruz. Ele não está apenas dizendo: “Se as coisas ficarem ruins, não fiquem aflitos, pois já estão mortos”. Ele está dizendo: “Escolham morrer comigo. Decidam odiar a própria vida neste mundo, da mesma maneira como Eu escolhi a cruz”.

Isto é o que Jesus queria dizer quando falou: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16:24). Ele nos chama a escolher a cruz. As pessoas faziam apenas uma coisa na cruz. Elas morriam na cruz. “Tome a sua cruz” significa como “o grão de trigo” que cai na terra e morre. Escolham a cruz. Odeiem a vida de vocês neste mundo.

Esse é o caminho do verdadeiro amor, da verdadeira vida, da verdadeira adoração. Nosso dever em morrer é exaltar a dignidade de Cristo: “Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas” (Fp 3:8).

Paulo é o grande exemplo do que significa morrer. “Levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a Sua vida se manifeste em nosso corpo” (II Co 4:10) e “pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo” (Gl 6:10).

Mas, por quê? Por amor ao comprometimento radical: “Em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebo do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus!” (At 20:24). Penso que ouvi Paulo dizer: “Não importa o que aconteça comigo, se eu puder apenas viver para a glória de Sua graça”.

Você pode falar a palavras de Paulo como as suas próprias palavras? Pode desejar isso? Com fervor, peça a Deus que seja assim mais e mais.”

John Piper,

Em “Uma vida voltada para Deus”, páginas 112 e 113 (trechos)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Uma parábola de Soren Kierkegaard

O escritor e filósofo dinamarquês, Soren Kierkegaard, gostava de contar histórias e parábolas para fazer os leitores pensarem.

Contou uma sobre dois homens, um rico e um pobre, viajando à noite.

O rico viajava em sua carruagem bem iluminada com uma lanterna dentro. Sentia-se protegido e seguro, isolado da escuridão. Como ele fornecia sua própria luz, não havia escuridão em volta.

O pobre camponês viajava sem lanterna, apenas com a luz das estrelas. Abria-se diante de si uma paisagem vasta e gloriosa. Como não tinha iluminação só sua, era guiado na escuridão pela espetacular exibição de Deus na noite estrelada.


O significado é claro. Podemos prover nossa própria luz, ideias, proteção, ou depender de Deus, de Cristo, a Luz do Mundo, para guiar-nos pela noite escura da vida nesta Terra.